mércores 14/04/21

Portugal suspende as aulas dúas semanas e sen ensino a distancia

Cuarto día consecutivo de récord de falecementos por mor da Covid-19: nas últimas 24 horas morreron 221 persoas máis. 
EuropaPress_3182997_escuela_infantil_portugal
Unha escola infantil en Portugal (Foto: Goberno de Portugal)

A pesar de "todo o esforço extraordinário que as escolas fizeram" para poderen dar aulas presenciais, "manda o princípio da precaução" e cómpre suspender as actividades lectivas durante 15 días, declarou o primeiro ministro de Portugal tras a reunión do Conselho de Ministros desenvolvida esta quinta feira.

Costa xustificou a mudanza de parecer do Goberno sobre o feche das escolas coa nova variante do coronavirus, a coñecida como "cepa británica", que é máis facilmente contaxiada que as coñecidas anteriormente.

"Apesar de os especialistas dizerem que este vírus não afecta mais a saúde, dizem que tem maior carga viral e uma velocidade de propagação muito maior. Essa interrupção tem custos e, por isso, decidimos que, em vez de uma interrupção presencial, há mesmo uma interrupção lectiva de actividades que pode ser compensada com encurtamento ou eliminação de outros períodos [de descanso]", manifestou. 

Polo tanto, enténdese que o feche en de todos os niveis do ensino en Portugal será, na práctica, un período vacacional, posteriormente compensado con días lectivos noutros períodos previstos de descanso no calendario escolar.

A partir de hoxe, cando entra en efecto a medida, tan só permanecerán abertas as escolas para menores 12 anos cuxos proxenitores fan parte de grupos específicos (as chamadas profesións esenciais) e tamén os centros de ensino para crianzas com necesidades educativas especiais.

O feche das escolas non é novo, xa se produciu o pasado mes de marzo tras a declaración da pandemia. Porén, nesta ocasión non haberá educación a distancia 

Difícil control parental

Ao respecto, a Associação Nacional de Dirigentes Escolares (ANDE) criticou este aspecto. "Todos percebemos que há necessidade de medidas com urgência, que faz todo o sentido parar tudo, mas penso que não faz sentido interromper agora as aulas para depois passarmos para o ensino online", sinalou o seu presidente, Manuel Pereira.

O alumnado, sinalou, regresou das vacacións do Nadal hai só 15 días. "Para eles uma interrupção é mais uma forma de se distanciarem da escola, o que não é bom, e estando sem aulas vão querer sair de casa, o que em termos de controlo da pandemia também não é bom", reflexionou o presidente de ANDE.

Portugal, con dez millóns de habitantes, leva xa catro días consecutivos con récords en falecementos (167 na segunda feira, 218 na terza, 219 na cuarta e 221 onte) e vólvense a disparar os contaxios, que son algo inferiores ao pico de 14.647 da cuarta.

comentarios