sábado 24/10/20

S.O.S.

Em setembro de 1998 a Fundaçom Artábria abria o seu centro social, marcando umha nova corrente associativa na Galiza, tendo sido abertos a partir desse ano um número importante de centros sociais autogeridos por todo o País, inspirados na experiência trasanquesa.

Com o passar dos anos e por questons de calendário, a celebraçom do aniversário mudou para outubro. Estaríamos pois, em condiçons normais, a festejar os 22 anos da abertura do decano dos Centros Sociais.

A realidade é bem distinta. Desde junho, quando a Artábria acordou reabrir as portas, após o confinamento, até hoje só decorrêrom um par de atividades, quando o normal seria ter fechada já umha programaçom até final de ano. A situaçom criada pola Covid19 provocou que estes projetos, concebidos como espaços de socializaçom popular, vejam limitado o seu principal propósito.

Pessoalmente, e sendo umha pessoa otimista, o sentir é de incerteza sobre o futuro, se nom houver mudanças. Sob a ameaça constante de confinamentos locais e sem a possibilidade de realizar muitas das atividades para autogestom do projeto, a viabilidade económica nas circunstáncias atuais é praticamente impossível.

Hoje é mais importante do que nunca o compromisso da base social e das pessoas associadas, envolvendo-se no dia a dia do projeto. 

O  soberanismo do nosso país tem um papel fundamental no novo cenário que se abrirá na enésima crise do capitalismo. Cumpre saber se queremos que os Centros Sociais acompanhem nesse cenário.

comentarios