domingo 01/08/21

A configuração do Estado

[Nemésio Barxa]

Há poucos dias, no debate sobre os indultos no Congreso, introduziu-se polos representantes políticos das diferentes nacionalidades históricas com representação na Câmara baixa, a mais plural da história recente, a reconfiguração do Estado espanhol e a solução dos conflitos, por via democrática e de diálogo respeitoso com as identidades nacionais, com Catalunya, Euskadi e Galiza. Coincide este feito com a notícia de que Teresa Rodríguez, porta-voz de Adelante Andalucia, reivindicou na Assembleia constituinte a soberania e liberdade de esta formação para colocar no centro do debate suas reclamações como partido soberano e sem tutelas para "decidir desde o povo andaluz, com soberanias em plural e sem medo á palavra, defendendo aos da periferia fronte aos do centro". Bem-vindo Andalucismo. Com emoção lembrei meu amigo falecido, o grandíssimo cantautor Carlos Cano, nacionalista andaluz que cantava "amo mi tierra y lucho por ella". Fronte aos intransigentes da "España una" pode ser o momento de construir um pais diferente, mais aberto e europeu, respeitando a diversidade territorial e seus direitos.

comentarios