sábado 18.01.2020
A opinión de
Vítor Vaqueiro
Vítor Vaqueiro Escritor

Lidando no binormativismo

Sigo com atenção a polêmica que nos meios de comunicação se está a desenvolver sobre a questão do binormativismo. Ao não ser um...

Andel, na história

Na fronteira de dous séculos, em dezembro de 1999, no número 10 da rua do Pintor Lugrís da cidade de Vigo, abria as suas portas a...

Pessimismo e língua

Tenho um amigo, que apreço sinceramente pola sua bondade e pola sua entrega, —concretizada em décadas— na defensa do nosso país. Dado...

Alan Lomax e nós

A começos dos anos 50 do século XX, o musicólogo norte-americano Alan Lomax percorreu o nosso país. Nas terras centrais da Galiza, na freguesia de Faramontaos, onde medram as vinhas da Ribeira Sacra e progride o românico de Ribas de Sil, escoitou um capador de porcos —chamado José Maria Rodríguez— executar com o seu chifre o som característico que anuncia a presença dos profissionais à cuja classe José pertencia.

Victoriano Taibo: a normativa como problema

Com um livro de poemas que tinha e tem por título Palavras a Espartaco, e cuja temática é uma reflexão sobre o presente tempo de crise, quem assina este artigo concorreu à convocatória do VII Certame de Poesia Victoriano Taibo.

Até quando adiarmos a decisão?

  Nas passadas semanas aparecerom na imprensa digital polo menos cinco artigos que refletem a questão do direito a...

Parlamentarismo e lecer

No filme dirixido por Brian de Palma The Untouchables (1987), que entre nós circulou baixo o título de Os intocábeis de Eliot Ness, un policía idoso, Jim Malone|Sean Connery —acompañado de Eliot Ness |Kevin Costner— penetra nunha academia de policía coa fin de recrutar un axente que pasará a ser membro do grupo formado polo Departamento do Tesouro para levar a cabo a loita

Política eleitoral e Política: reflexións sobre o 21-0 (de 1997)

Na situación, sen dúbida eleitoralmente dificil, na que o nacionalismo galego se encontra, desexaría, desde a humildade, deitar un mangado de consideracións esencialmente dirixidas ao pasado, coa seguranza de que sendo certo que o presente no que nos achamos profetiza o futuro non é menos verdade que, ao
Destacado

Mensagens privadas

Pero menos da Dios y está en el cielo Blas de Otero   Como provavelmente algumas pessoas lembrem, o passado 21 de junho, publiquei em Sermos Galiza um artigo sobre questões relacionadas com a norma da Real Academia Galega-ILG e o déficit democrático que, do meu ponto de vista, a aplicação dessa norma implica. No artigo sinalava, de passagem, que advertia, nessa aplicação, uma…
O + EN NÓS DIARIO