Opinión

Cume do Clima: Unha lavagem de cara?

Opinión

Cume do Clima: Unha lavagem de cara?

A estas alturas a comunidade científica e a política, sabem quais são as causas do desarranjo ecológico do planeta. Também já se levantaram muitas vozes indicando como se poderia corrigir a deriva ambiental que este está a sofrer. Pouco importa se reduzimos os combustíveis fósseis ou se denunciamos as emissões de metano polos animais ruminantes. O que está em causa é o modelo económico social que levou a este desastre. Tudo tem de ser mudado. Produzir a baixo custo para o empresário sem importar onde são fabricadas as cousas nem as relações laborais injustas que se estabelecem, só provoca injustiça social, emissões por transporte, excedentes que devem ser colocados no mercado e no final refugalhos que nos sepultam porque a terra não os da metabolizado. O objetivo tem de ser produzir o necessário e onde for necessário. O transporte é responsável polo 70% das emissões de carbono a atmosfera, para alem de emissões de óxidos de azoto e outros poluentes. A construção de estradas é responsável também de uma grande parte do deterioro ambiental, utiliza-se petróleo para o firme, destrozam-se terras de lavor e florestas, modifica-se a paisagem, cambiam os cursos de água etc. As vias de comunicação são necessárias, mas tudo é uma questão de escalas. Em Lugo está prevista fazer uma rama da autovia cortando os terrenos de Bosende, suas carvalheiras, seus valados e seus terrenos, que é totalmente desnecessária.

O mais ecológico seria cuidar o caminho de ferro galego. A maioria das vias estão já feitas, mas a comunicação interna da Galiza é, nestes momento, nula salvo o eixo Corunha Vigo. Leva o mesmo tempo ir de Lugo a Corunha que de Ourense a Madrid. O Governo Galego pode reclamar as competências em matéria de transporte contempladas no nosso Estatuto de Autonomia para renovar e viabilizar o nosso caminho de ferro. Um enlace Lugo-Compostela por Curtis representaria apenas uns 40 Kmts até Lavacolha. Esta deveria de estar comunicada com Santiago com um trem de alta frequência. A produção de energia também é antiecologica. É imprescindível para o funcionamento de qualquer sistema. Mas deveria de limitar-se no mais possível o seu transporte. Na atualidade está a ser produzida em lugares deprimidos, ou de sacrifício como é Galiza para ser levada até os lugares de privilegio como é Madrid. Esto é um esbanjamento de recursos estúpido e antiecologico. Para atuar eficazmente na correção do deterioro ambiental há que o fazer em múltiplos frontes com espírito sistémico e coordenado. As unidades de autogestão deveriam de ser o objetivo primordial desta cimeira. O transporte de mercadorias global deveria de ser penalizado e com tendência a ser reduzido ao estritamente necessário. A produção de lixo tem de ser reduzida. Na sua quantidade e na sua qualidade.

O melhor lixo é o que não se produz, depois é-o o que se transforma em recurso. A reciclagem é uma necessidade. Porque a Terra já não dá metabolizado mais resíduos e porque as matérias primas estão a se esgotar. O indigenismo deveria ser um modelo e não um objeto a eliminar. Todo desenvolvimento deveria de contemplar a justiça social e ambiental. O ecocidio deveria ser considerado como um dos piores delitos, porque afeta ao lar comum, a casa de todos os seres vivos. De nada vale reclamar energias renováveis se a sua gestão é feita desde os mesmos parâmetros que o resto da produção capitalista. Mudar petróleo por ventoinhas sem entrar no impacto ambiental que os macrocampos destes engenhos produzem, nada adianta a respeito do cambio climático nem do equilíbrio ecológico da Terra. Culpabilizar a carne como alimento sem entrar nas dimensões de macrogranjas onde o maltrato animal é a norma e a concentração de metano é a consequência de ter milheiros de vacas fechadas alimentadas com forragens, é distrair interessadamente a opinião pública. Favorecer as monoculturas como milho ou eucalito é provocar uma roda diabólica que vai desde a utilização de agro-tóxicos que empeçonham as águas e o ar e condena ao agricultor a dependência sócio-económica das grandes companhias multinacionais. Isso tudo teria que ser tratado na COP26 de Glasgow.

Mas infelizmente tudo ficou em boas intenções e boas declarações de princípios. Indigenismo, autogestão, vias de comunicação ecologicas, decrescimento, justiça ambiental e social, serão os temas imprescindíveis se queremos salvar nossas crianças dum mundo distópico numa Terra inclemente e acabrunhada. Está calculado que, se nada fazermos, os bebés que nasçam hoje sofreram vagas de calor sete vezes mais fortes do que agora. Queremos isso? Eu não quero. Temos que parar.

Apoia Nós Diario

Se estás lendo de balde este xornal é grazas ás máis de 3.000 persoas subscritoras. A información independente ten un prezo. Apoia un xornalismo galego e sustentábel subscribíndote a Nós Diario ou facéndote mecenas.

comentarios