25 de abril, 44 anos depois, em Portugal e na Galiza

Portugal celebra a Revolução dos Cravos com diferentes actos, presididos pela tradicional "descida na Avenida da Liberdade", em Lisboa. Também a Galiza rende tributo a uma data para a história.

O cravo, símbolo do 25
photo_camera O cravo, símbolo do 25

Há hoje justamente 44 anos Portugal viveu o 25 de abril em maiúsculas. Uma revolução numa periferia europeia, que levantou ilusões e expectativas no país vizinho e não menos periferia europeia, Galiza. A Revolução dos Cravos derrubou a ditadura e abriu as portas para construir uma democracia na qual direitos e liberdades não fossem meros formalismos. "O povo é quem mais ordena", a palavra de ordem contida no 'Grândola', dizia-o absolutamente tudo.

25 de abril de 2018, 44 anos depois. Portugal acolhe desde há dias exposições de pinturas, mostras fotográficas, palestras, apresentações de livros ou concertos com motivo do 25 de abril. O ato central será, como é tradição, a "descida" que todos os 25 de abril tem lugar em Lisboa, organizada pela Associação 25 de abril e da qual participam milhares de pessoas e representantes do Partido Comunista, Bloco de Esquerda e Partido Socialista, bem como de sindicatos, entidades culturais e sociais ... Este ano, nesse ato estará presente Yanis Varoufakis, ex-ministro grego, que aproveitará a sua estadia em Portugal para apresentar o seu movimento DiEM25.

Nos vindouros días várias localidades portuguesas (Odemira. S. João de Talho, ...) acolherão atos comemorativos do 25 de Abril organizados pelo PCP, com a presença do secretário-geral dos comunistas portugueses, Jerónimo de Sousa.

Galiza

A Associação José Afonso Galiza (AJA) é a encarregada de manter viva a chama do 25 de abril no nosso país. As atividades começaram com "Cinema de Abril", acto no que se visionaram em Compostela Bom Povo Português (Rui Simões, 1981) e O Cravo da Liberdade (Andreia Marques, 1996). A palestra "Os dias da liberdade" contou com a participação de Camilo Mortágua, capitão de Abril, que interveio nos assaltos ao transatlántico Santa Maria e ao Banco de Portugal que serviram para financiar a revolução; e a jornalista e professora Margarita Ledo, exilada em Portugal em 1974.

A apresentação dos "Os cartazes de 25 de abril" será no próprio dia 25 de abril, às 17h30, no Auditório Municipal de Rianxo e terá como protagonista a historiadora Alba R. Silgo. Nessa mesma data haverá uma "Ruada do Grândola" que vai percorrer as praças e ruas da zona velha de Compostela, com saída às 21h00 da praça do Pam, com foliada e cantar coletivo. Será amenizada pelos Enxebres de S. Lázaro

Finalmente, o concerto "Abril Sempre" será no sábado 28 de abril às 19h00 na Praça do Pam, em Compostela, com a participação dos artistas portugueses Manuel Esse "Trio" e Manuel Teixeira & António Rosa, que interpretarão canções-protesto e de intervenção para recordar os acontecimentos da Revolução dos Cravos e a trajetória de José Afonso.

Teatro Colón

O Show "Lisboa" de Gonçalo Guerreiro no Teatro Colón celebra este 25 de Abril às 20.30h o aniversário da Revolução dos Cravos, num acto organizado pela Deputação da Corunha. O artista lisboeta Gonçalo Guerreiro, acompanhado por um grupo de músicos da Corunha, apresenta um repertório de canções em português baseado em poemas de Fernando Pessoa: "Estas canções surgem das sensações e pensamentos que foram nascendo em mim ao longo dos anos que tenho vivido na Galiza. Eles são cantigas enraizadas na música lusófona que procuram uma sonoridade universal. Existem para que eu possa encontrar memórias da cidade onde nasci, Lisboa, no lugar onde eu moro agora ".

Também em locais sociais na Galiza, como Artàbria, festejam esta data, neste caso com uma ceia comemorativa.

A INFORMACIÓN GALEGA ESTÁ NA TÚA MAN!

Subscríbete ao noso boletín de novas.

Date de alta de balde e recibirás unha selección dos nosos artigos para saberes o que acontece.

comentarios