LUTAS NA METALURGIA

Greves na metalurgia paralisam fábricas em cinco lander da Alemanha

O poderoso sindicato IG Metall lançou este fim de semana a jornada de greves por aumentos salariais de 6,5%.
Protesto de operari@s na Alemanha
photo_camera Protesto de [email protected] na Alemanha

Uns 3,5 milhões de metalúrgicos preparam-se para "greves massivas" a partir desta semana e as paralisações já afetaram o setor no fim de semana, segundo informa esquerda.net. Mais de 2500 trabalhadores deram início às greves de protesto no sábado à noite, paralisando o funcionamento de fábricas em cinco regiões, incluindo as dos maiores grupos (MAN, Siemens, ThyssenKrupp, Continental e Bosch).

Os trabalhadores consideram uma "provocação" a proposta do patronato de aumentos salariais de 3% em 14 meses. "Exigimos uma proposta que leve a sério os trabalhadores e o seu trabalho", declarou Berthold Huber, presidente do IG Metall, insatisfeito com o andamento da terceira ronda de negociações com o patronato acerca da convenção coletiva do setor.

Este braço de ferro intensificar-se-á a partir do 1º Maio. Nas próximas semanas, o sindicato prevê a realização de "greves massivas" em toda a Alemanha. Pelo peso e importância dos metalúrgicos na economia alemã, as negociações salariais do setor são sempre encaradas como indicativas da evolução dos salários no resto da economia.

Graças à luta dos funcionários públicos alemães, que incluiu também várias greves, trabalhadores e governo chegaram a acordo para um aumento de salários na Função Pública em 6,3% nos próximos dois anos.

Apoia Nós Diario

Se estás lendo de balde este xornal é grazas ás máis de 3.000 persoas subscritoras. A información independente ten un prezo. Apoia un xornalismo galego e sustentábel subscribíndote a Nós Diario ou facéndote mecenas.

comentarios