sábado 27/11/21

A escritora Teolinda Gersão vence Prémio Literário Vergílio Ferreira 2017

A escritora Teolinda Gersão conquistou na quarta-feira, 21 de dezembro, o Prémio Literário Vergílio Ferreira 2017, outorgado anualmente pela Universidade de Évora.

563104_237308866366279_467995454_n
563104_237308866366279_467995454_n

O júri reconheceu a “alta qualidade da arte narrativa expressa nos vários géneros de ficção clássica, em particular o romance e o conto” da escritora Teolinda Gersão, vencedora desta 21ª edição do galardão, destacando “a independência da escritora relativamente a todas as modas ou tendências que, de alguma forma, condicionam os caminhos da literatura contemporânea”, segundo se indica no comunicado enviado à imprensa.

O Prémio Vergílio Ferreira destina-se a galardoar o conjunto da obra literária de um autor ou autora de língua portuguesa no âmbito da narrativa e/ou ensaio. Desde a organização salientam que esta foi a edição com mais candidaturas desde a criação do Prémio, em 1997, apresentadas por instituições de Portugal, Espanha, Itália, EUA e Colômbia, segundo indicam.

Este galardão foi atribuído pela primeira vez a Maria Velho da Costa, em 1997, a que se seguiram, entre outros, Mia Couto (1999), Eduardo Lourenço (2001), Agustina Bessa-Luís (2004), Vasco Graça Moura (2007), Luísa Dacosta (2010), Hélia Correia (2013) e Lídia Jorge (2015), tendo sido o galardoado da edição de 2016 o escritor João de Melo.

Teolinda Gersão, natural de Coimbra (1940), é uma das autoras mais consagradas da literatura atual. Escritora e professora universitária portuguesa, Gersão estudou germanística, romanística e anglística nas universidades de Coimbra, Tubingen e Berlim. É autora de múltiplos livros de ficção, traduzidos a diversas línguas, e venceu, entre outros, os seguintes prémios: por duas vezes o Prémio de Ficção do PEN Clube (O silêncio, 1981, e O cavalo de sol, 1989), o Grande Prémio de Romance e Novela da APE (A casa da cabeça de cavalo, 1995), o Prémio Fernando Namora (Os teclados, 1999), o Grande Prémio do Conto Camilo Castelo Branco (Histórias de ver e andar, 2002), Prémio Máxima de Literatura e Prémio de Literatura da Fundação Inês de Castro (A mulher que prendeu a chuva, 2007), o Prémio Máxima de Literatura (A mulher que prendeu a chuva e outras histórias, 2008), etc.

O livro mais recente de Teolinda Gersão é Prantos, Amores e Outros Desvarios (2016, Porto Editora), uma nova obra conformada por catorze contos onde a autora “percorre com destreza o espectro vasto do quotidiano”. Além disso, recentemente a literata foi merecedora do Prémio Fernando Namora 2015 por Passagens, obra que está sendo adaptada para uma longa-metragem. 

A escritora Teolinda Gersão vence Prémio Literário Vergílio Ferreira 2017
comentarios