martes 25.02.2020

Primeira vitória de Lula no Supremo brasileiro

O STF (Supremo Tribunal Federal) decidiu atender o pedido da defesa do ex presidente, contrário à sua transferência da cadeia de Curitibia a um presídio de São Paulo. Lula vai continuar preso na sua cela de 15 metros quadrados enquanto não se resolvam as pesquisas sobre o juiz que o condenou, Sérgio Moro, agora ministro de Justiça do Governo Bolsonaro.
Lula, justo antes de ser preso em Curitibia
Lula, justo antes de ser preso em Curitibia

Luiz Inácio da Silva Lula foi condenado a 8 anos e 10 meses de prisão por lavagem de dinheiro e corrupção passiva, no quadro da operação judiciária Lava Jato. O líder histórico da esquerda brasileira, de 74 anos, acha que o seu foi um julgamento "político", que o juiz não foi capaz de apresentar nem uma soa prova e que Moro foi um peão numa estratégia de Washington que visava derrubar o governo do PT.

O ex sindicalista e fundador do Partido dos Trabalhadores leva preso desde abril de 2018 na penitenciária da Superintendência da Polícia Federal de Curitibia.

A defesa de Lula pedia a liberdade total do primeiro político de esquerda que presidiu o Brasil (2003-2011) e, no seu defeito, a sua passagem para uma Sala de Estado Maior, um encarceramento em condições para um ex presidente da República. 

O STF estimou parcialmente as petições, não concedeu a liberdade, mas si que congelou a transferência de Lula para o presídio de Tremembé enquanto não fique resolvido o recurso da sua defesa em relação à determinar se houve ou não atuação parcial do juiz Sérgio Moro contra o dirigente do PT.

Sobre Moro pairam não poucas suspeitas de animosidade contra Lula. O que não admite dúvidas é a sua filiação política conservadora, o que veio claramente à tona quando ele abandonou a carreira judiciária para assumir a pasta de Justiça no primeiro governo Bolsonaro.

Em todo caso, a decisão do STF —contrária à transferência a Tremembé decretada pola juiza Carolina Lebbos, a responsável da execução da sentença sobre Lula—é a primeira vitória do dirigente esquerdista nos tribunais, o que é visto com otimismo nas filas do PT, embora não signifique que Moro vá ser recusado por parcial, o que anularia a sentença contra o ex presidente.

comentarios